Hoje, visitamos a Loja da Susana Beirão, na Rua Bombarda. Sim, loja com L maiúsculo porque o espaço chama-se mesmo assim: LOJA. “Chama-se só LOJA, não tem que ter mais camadas de significados, conceitos… não acredito nisso. O design é um modo de estar. Loja lê-se em todas as línguas e a fonética é fixe, e é pequenino. O design é simples, lúdico, bem disposto, essencial, sem artifícios…fiquei contente com o logo!”.

Na Loja, estão presentes objetos de design essenciais e intemporais; minimalismo e sustentabilidade são as palavras que ocorrem quando passeamos entre cadeiras e candeeiros. “O que eu quero não é necessariamente o que as pessoas percepcionam. O que eu quero é um design mais descomplexado. Não quero nunca acrescentar uma camada, eu não acredito que o design tem que se impor, mas tem que estar lá subtilmente, e isto faz parte da essência da peça ou não”.

A Susana já teve um negócio na Rua do Almada (a Casa Almada), durante doze anos, mais dedicado ao mobiliário e ao design clássico. Entretanto, quis ampliar o projecto, começar a fazer também peças dela e que a loja servisse também como canal de distribuição de designers e ateliers locais. “A ideia é valorizar o que é português, local e sustentável”. Por isso, em 2019, escolheu mudar-se para o quarteirão Miguel Bombarda por ser local e cosmopolita ao mesmo tempo, porque, apesar de ‘privilegiar a produção local, gosta do mundo todo’.

 

A atmosfera da Loja é incrivelmente quente e acolhedora, graças à enorme janela do fundo que abre a visão sobre um mundo de jardins e interiores de prédios bonitos. A Susana escolheu abrir a vista e privilegiar a entrada de luz natural. “O trabalho de adaptação do espaço foi tirar camadas e potenciar o que existia, evidenciando alguns erros que são realmente uma delícia, como o tecto das escalas que forma uma espécie de origami de cimento”.

Na Loja, encontra-se de tudo, das cerâmicas locais de produção pequena, cerâmicas vintage, mobiliário clássico até à roupa em segunda mão, tudo criteriosamente escolhido.

“Eu sou completamente ecléctica e multidisciplinar, gosto do design como atitude de vida. Design que pode ser mobiliário ou objectos que acho poderem fazer falta no mercado e, portanto, eu desenho, por exemplo, um móvel para discos de vinil, os trava-livros… e depois temos objectos lúdicos como os carimbos, que fizemos só porque eu gosto”.

A Loja abriu logo antes da pandemia, por isso a Susana teve que mudar as expectativas todas, mas conseguiu adaptar-se e focar as energias no website, tentar lançar online e fazer parcerias e colaborações o máximo possível. “Sinto que as pessoas são um bocadinho congeladas em termos de decisões, acho que é a pior altura para se estar congelada, tem que ser a altura de nos lançarmos… não podemos ser só vítimas, temos que ser autores das coisas. Mas, apesar de tudo, a resposta do público foi super positiva, acho que o paradigma do público local está a mudar, felizmente. Tive muitas caras novas e muita gente que me disse que nunca tinha tido esta experiência de shopping local e comércio de rua, e que ficaram completamente encantados”.

A Loja abriu logo antes da pandemia, por isso a Susana teve que mudar as expectativas todas, mas conseguiu adaptar-se e focar as energias no website, lançando-se online e fazendo parcerias e colaborações o máximo possível. “Sinto que as pessoas são um bocadinho congeladas em termos de decisões, acho que é a pior altura para se estar congelada, tem que ser altura de nos lançarmos… não podemos ser só vítimas, temos que ser autores das coisas. Mas, apesar de tudo, a resposta do público foi super positiva, acho que o paradigma do público local está a mudar, felizmente. Tive muitas caras novas e muita gente que me disse que nunca tinha tido esta experiência de shopping local e comércio de rua, e que ficaram completamente encantados.”.

Proust questionnaire com Susana Beirão

Qual é o teu lema?

Less is more

Qual é a tua maior conquista?

Ter a minha bolha, em termos de trabalho. Escolher as pessoas com quem trabalho e conseguir fazer o que eu aprovo e concordo.

Como definirias a felicidade?

Um momentinho

 

Em que ocasião mentes?

Às vezes tenho que mentir ao meu filho.

Três palavras para te descrever.

Contraditória, ecléctica, tagarela.

 

Duas palavras para descrever a Loja.

Uma plataforma colaborativa.

 

Uma palavra para descrever o Quarteirão Bombarda.

Um lugar que eu vou construindo com a ajuda da minha mulher e me deixa feliz.

Uma palavra para descrever o Quarteirão Bombarda.

Efervescente.

Bombardians é a nova rubrica que dedicamos aos nossos vizinhos – pessoas e negócios criativos que fazem parte do Quarteirão das Artes do Porto.

Entrevista: Benedetta Grasso Edição: Rossana Mendes Fonseca Fotografias: João Ferreira